sexta-feira, 16 de março de 2012

Destinos


Caminhava de olhos no chão, de repente parou, não que tivesse vontade, mas algo, alguém, alguma coisa, o fez estacar e olhar em frente com uma força e uma vontade que nunca sentira antes.

Nunca soube porquê.

No momento seguinte a ter parado, já lá não se encontrava, tinha partido para outro destino, aquele onde nunca será preciso parar, porque a distância que agora o ocupa é infinita. Uma estrada sem fim. Imortal.

É assim o destino daqueles que sabem viver.

1 comentário: